24 março 2014

Lua de mel em Roma. Terceiro e quarto dia

Esta lua de mel foi atípica, pois além de acontecer 3 anos após o casamento, teve a presença dos meus pais, rs.

Eu organizei tudo, meus pais não opinaram em nada (porque não quiseram) e marido só fez dois pedidos: um bate-volta a Pompéia e outro a Londres, que fizemos quando estávamos em Paris.

No terceiro dia em Roma, seguindo as dicas preciosas do blog Viaje na Viagem (para ler as dicas, clique aqui), fomos até a Estação Roma Termini, pegamos um trem para Nápoles, e na estação de Nápoles, pegamos um trem para Pompéia.

Nossa intenção era passar no máximo 3 horas em Pompéia, voltar para Nápoles, comer uma autêntica pizza napolitana e conhecer alguns pontos turísticos, como o Castel Nuovo, a Galeria Umberto I e a Piazza del Plebiscito.

Pompéia foi uma decepção! Achamos as ruínas mal sinalizadas, o mapa confuso, e sentimos muita falta de um guia para nos fazer mergulhar na história daquela cidade.

Quando estávamos indo para o anfiteatro, que é uma das principais atrações do local, começou a chover forte e nós decidimos ir embora.

Valeu a pena conhecer uma parte da ruínas e ver alguns corpos mumificados, mas eu e Roberto preferíamos ter ficado em Roma.

Ruínas de Pompéia


Corpo mumificado pelas cinzas


Afrescos que sobreviveram à tragédia
Vesúvio

De volta a Nápoles, saímos da ferroviária rumo a Pizzeria Triano da Ciro, que segundo minhas pesquisar pela internet, é uma das pizzarias mais tradicionais da cidade.

A grande maioria dos turistas vai até a Pizzeria da Michele, cuja pizza é considerada a melhor do mundo, e apareceu no filme Comer, Rezar e Amar, mas esta pizzaria fecha aos domingos, dia da nossa visita.

Segundo o Google Maps, o restaurante ficava a 13 minutos a pé da estação, mas nós andamos, andamos, andamos e não achamos o local. Além disso, deparamo-nos com uma cidade horrível, velha, mal tratada, suja, com lixo jogado nas calçadas, pessoas mal encaradas, cafetões e prostitutas andando tranquilamente pelas ruas. Tive até medo de tirar a minha câmera da bolsa para registrar algumas cenas napolitanas pitorescas, como varais pendurados do lado de fora dos apartamentos.

Como era domingo e não havia muito movimento, preferimos voltar para a ferroviária, fazer um lanche e ficar lá mesmo esperando o horário de pegar o nosso trem.

Hoje penso que poderíamos ter pegado um táxi, ido até a pizzaria e depois ido conhecer os pontos turísticos que eu havia selecionado, conhecer uma parte de Nápoles que deve ser diferente, mas ficamos tão chocados com o que vimos, que preferimos voltar para a estação.

Se Pompéia foi uma decepção, Nápoles foi muito pior...

No quarto e último dia em Roma, pretendíamos passar a manhã no Vaticano e à tarde conhecer o Castelo Sant'Angelo, a Piazza de Popolo e a Piazza di Spagna. No Vaticano, a intenção era visitar apenas a Capela Sistina, que fica dentro do seu museu, e a Basílica de São Pedro.

Comprei os ingressos para o Museu do Vaticano, antecipadamente e pela internet, para o horário de abertura: 09:00. Comprando pela internet, paga-se 4 euros a mais por ingresso, mas vale muito a pena, pois a fila para comprar na hora é assustadora. Para comprar os ingressos, clique aqui

Para chegar até lá de metrô, pode-se pegar a linha A, saltar na Estação Ottaviano e caminhar aproximadamente 25 minutos até o museu, mas como estávamos cansados e queríamos dormir um pouquinho mais, fomos de táxi.

O Museu do Vaticano é enorme, bem organizado (diferente de Pompéia :P) e muito lindo. A Capela Sistina, que é sua maior atração, fica no final, é claro, mas há dois caminhos diferentes para chegar até ela, um que passa por quase todo o museu e outro mais curto, com atalhos.

Eu achava que a capela era maior, mais suntuosa, mas é uma capela e não uma basílica, né? A infinidade de pinturas belíssimas que decoram o seu teto e a sua parede encantam e emocionam. Demos sorte de visitá-la quando ainda não estava cheia, o que me permitiu apreciar as pinturas com calma, no silêncio, e sair de lá com um sentimento de paz, mesmo não sendo católica. 

Não é permitido fotografar, mesmo sem flash.

Capela Sistina. Créditos: All Travel Diaries

Vista do café que fica nos jardins do Museu do Vaticano

Em seguida, fomos visitar a Basílica de São Pedro, mas desistimos, pois a fila estava enorme.

Acho que a melhor opção é visitar a basílica e depois o museu, pois parece que dentro da igreja há uma passagem para o museu, mas a minha prioridade era ver a Capela Sistina com a menor quantidade de pessoas possível, então fui até lá primeiro.

Basílica de São Pedro

Praça de São Pedro

Da Praça de São Pedro fomos andando até o Castelo Santa'Angelo, que fica bem perto, tiramos fotos do lado de fora, pegamos um táxi, voltamos à Fontana di Trevi (pois marido queria tirar fotos da fonte ensolarada), almoçamos ali perto e por último, fomos à Pizza di Spagna. A fonte desta praça estava toda coberta por tapumes e a escadaria estava lotada. Não curti :(

Castel Sant'Angelo


A Piazza do Popolo ficou pra próxima...

Beijos e uma ótima semana,

Silvia Tanes :) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente! Sua opinião é muito importante para mim :)

Silvia Tanes - Decoradora de Eventos ©| Desenvolvido por Heart Ideas – soluções criativas.